Saturday, July 4, 2015

Na mesma balança, se pesa o Ouro e a Alma

Homens condenados em vida como em morte
Arranham as entranhas da terra
Em busca daquele metal que reluzia e mentes enlouquecia
Mas desse mal, estavam eles salvos
É o pão bolorento que sustenta a mulher e os filhos
Eles como Homens que são, podiam definhar
Comem da terra que daqui a nada, os vai devorar
Corajosos seriam, se tivessem outra escolha
Descem por grutas e gargantas até profundas trevas
Não façam muito barulho, ainda acordam quem não dorme e lá em baixo domina
Mas não se incomodem, já está de pé e bateu com ele
Adormecida fúria se alevanta, tecto desaba e homens pequenos se tornam
Sem deliberada vontade, escondem-se agora atrás de destinos selados
"Socorro!". Escapam um grito que atravessava rochas de tamanha convicção
Mais não podiam fazer, tomara largarem seus breves corpos
E fugirem dali com almas pavorosas
Mas alma livre, não anda por aí, não
É negócio entre anjos e demónios
Sem demora, o outro pé ele bate
E ali, todo o mundo estremece uma derradeira vez
Não importunem os que ainda vivem se faz favor
Escolham as terras do norte... ou aquele mundo mais ímpio
Mas calma... O Diabo já o olho vos deitou
Nele pensaram subornar para maldita vida não largar